Educação do ES é destaque nacional

Os bons resultados da Educação do Espírito Santo no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) têm sido destaque em artigos de renomados especialistas nacionais. Nesta sexta-feira (09), Cláudia Costin, que é diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), publicou um artigo no jornal Folha de São Paulo, que fala sobre “O legado do Espírito Santo” e as nossas boas políticas públicas.

Priscila Cruz, fundadora e presidente-executiva do movimento Todos Pela Educação, também publicou hoje o artigo “Não há solução mágica para a educação”, no jornal Estadão, mencionando o Espírito Santo como um ótimo resultado que deve ser expandido para o país.

Para o secretário de Estado da Educação, Haroldo Rocha, a implantação de programas prioritários, como Escola Viva, Jovem de Futuro e Pacto pela Aprendizagem no Espírito Santo (Paes), colaboraram para o sucesso alcançado, junto com a participação da família, o empenho dos professores e a dedicação dos estudantes. “Se olharmos os outros estados, podemos ver que o Espírito Santo é o que mais cresceu nessa década em aprendizagem. Algo diferente está sendo feito aqui e isso nos indica que estamos na direção certa”, destaca.

Ideb

Segundo o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado pelo Ministério da Educação (MEC), as escolas do Espírito Santo têm o melhor Ensino Médio do Brasil. Considerando as escolas públicas e privadas, o Estado teve a média 4,4 no Ensino Médio.

O crescimento da rede pública estadual do Espírito Santo é o maior registrado desde que o indicador foi criado, em 2005. De acordo com resultado, o Espírito Santo também tem a melhor nota em termos de desempenho acadêmico dos estudantes. Pela primeira vez o Espírito Santo lidera nas disciplinas Matemática e Língua Portuguesa, alcançando a melhor proficiência no Ensino Médio do País. Esse resultado é referente ao Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

O Ideb é um indicador geral da educação nas redes privada e pública, uma espécie de nota. Para chegar ao índice, o MEC calcula a relação entre rendimento escolar (taxas de aprovação, reprovação e abandono) e desempenho no Saeb/Prova Brasil aplicada para crianças do 5º e 9º ano do fundamental e do 3º ano do ensino médio. O índice é divulgado a cada dois anos.

Fonte e foto Sedu-ES

:)