Kleber Galveas
Cotidiano

PARA REFLEXÃO:

“... E é Goethe que fala, aquele que nossos insuportáveis apóstolos da cultura designam sempre como o mais feliz dos alemães, a fim de provar por seu exemplo que é possível viver feliz entre eles – com essa segunda intensão de que é imperdoável se sentir infeliz e solitário no meio deles. Por isso tiveram a crueldade de deduzir disso e de demonstrar pela prática o dogma que quer que a solidão implique sempre uma culpa secreta. Ora o pobre Schopenhauer tinha também na consciência uma dessas culpas secretas: é que dava mais importância a sua filosofia do que a seus contemporâneos; e, além do mais, tinha a infelicidade de ter aprendido de Goethe justamente que tinha o dever de defender a qualquer custo sua filosofia contra o desprezo de seus contemporâneos, a fim de lhe salvar a existência; de fato, conhecemos uma espécie de censura inquisitorial que os alemães, acreditando em Goethe, levaram longe demais: consistir em infligir ao culpado um silêncio pétreo. E com esse procedimento se conseguiu, pelo menos, que a primeira edição de sua grande obra fosse destruída inteiramente. O perigo ameaçador de ver reduzir a nada sua grande obra unicamente como efeito da indiferença o mergulhou numa terrível ansiedade, difícil de dominar; nem um só partidário notável se fazia vivo...”

Nietzsche – Schopenhauer Educador. Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal. Editora Escala. Pág. 34.

TEXTO ENVIADO PARA DIRETORIA, EDITORES E JORNALISTAS E CARTAS DE A GAZETA. ONDE A MATÉRIA FOI PUBLICADA

Na primeira página e na página 3 do C2 de domingo, A Gazeta, tem um monte de “patacoadas” dos nossos editores de livros e da Mariana Perim, jornalista que entrevista os descuidados. “Dura Realidade” é o título da matéria. Incrível como tantos entrevistados, editores de livros capixabas, que vivenciam o problema, que os está sufocando, não enxergam a sua causa real, e como a jornalista não faz um MEA CULPA. Ao contrário de vários Estados (Minas, Bahia, Goiás, Ceará, Paraná,) e mesmo muitas cidades brasileiras (Rio, Manaus, Porto Alegre, Juiz de Fora, Carangola,) a nossa mídia provinciana massacra os escritores locais.

Besteróis alienígenas são consagrados a cores na primeira página dos nossos jornais e ocupam tempo expressivo na televisão, com o entrevistador se derretendo em elogios, enquanto nossos jornalistas ignoram a produção local, não leem, não ouvem e nem veem os conterrâneos e, quando muito, destinam a esses um tijolinho frio na quinta página. Consolidam, na mente do capixaba a ideia de que os outros são importantes, têm destaque merecem serem lidos e os de casa, quinta categoria merecem o desprezo.

Tom Jobim dizia “Fazer sucesso no Brasil é ofensa pessoal” Aqui no ES é pena de morte ou no mínimo ostracismo. Abraço, Kleber

A Exposição: FLORES E ACIDENTES GEOGRÀFICOS FORMIDÁVEIS começa no primeiro dia da Primavera (Domingo, 23 de setembro). Abre todos os dias das 9 às 18 horas.

Entre os visitantes, que deixarem seus e-mails será sorteada uma tela com flores, datada e assinada. Entrada franca.

ILUSTRAÇÃO: “O Invejado” - Nova Venécia, ES. Brasil
INFORMAÇÕES: Tel. (27) 3244 7115 ateliegalveas@gmail.com
https://www.galveas.com

:)